"O Natal é uma grande festa para nós. Na véspera de Natal, a primeira família nasceu em Nomadelfia e era de Irene. Foi depois da missa da meia-noite, o pároco veio para nossas casas lá. E logo abaixo, naquele quartinho que fica à esquerda da grande escadaria, tudo estava festivamente decorado ali, e foi o pároco que confiou Irene às crianças. Doze foram e Don Vincenzo fez o mesmo raciocínio, ele disse: "Esta é uma maternidade que não é por instinto, mas de fé".

E o Bispo, no dia da Imaculada Conceição, ao qual Irene foi perguntar se lhe permitiria, exercer essa maternidade. Ele disse a ela: "O Bispo está com a sua vocação". O dia da Imaculada obteve do Bispo esta maternidade para todos vocês, para todas vocês mulheres, aquelas que vieram depois. E na noite de Natal ele recebeu seus filhos.

Isso aconteceu em 1941 ”.

Com estas palavras, Dom Zeno recordou o nascimento da primeira família, nascida graças à coragem e à resposta de Irene, uma jovem de 18 anos, que fugiu de casa para "ser mãe" para as crianças que Dom Zeno colecionava na reitoria, prometendo-lhe uma verdadeira família. Passaram 76 anos desde aquela noite do Santo Natal, quando nasceu a primeira família da "Mãe da Vocação", uma escolha que não se extinguiu ao longo do tempo, mas que se destina a abrir-se cada vez mais.
É sempre melhor entender como é essencial a família para o crescimento e desenvolvimento da criança, do adolescente e para a vida do adulto. A festa de Natal nos fala de boas-vindas: abrindo as portas de nossas casas, abrindo espaço em nossas vidas para os pequenos, para os mais indefesos e sofridos, como Jesus na noite de Natal.